Revista Digital Emilia Leitura e livros para crianças e jovens
Crítica Entrevistas Leitores Leituras Livros Mercado
PALAVRAS-CHAVE
Cursos Emília  Arte e Educacão  Promoção do livro infantil  livros de imagens  Livros infantis e juvenis  Lúcia Hiratsuka  Leitura de mundo  Editoras de LIJ  Literatura para crianças  Formação leitora  Formação crítica  Laboratório Emília_cursos  Leitores do futuro  Líteratura indígena  Comunidades tradicionais  Ilustrador & autor  Formação de editores  Clássicos  Referência  Jovens leitores  EJA  Leitores  Cultura  Nelson Cruz  Leitura na escola 
Entrevistas | setembro 2011
Peter Hunt
Seriedade e estilo literário para crianças
POR Flávia Lins e Silva e João Luis Ceccantini

Peter Hunt foi o primeiro britânico a escolher a literatura infantil e juvenil para tema de um PHD. Na época, seu orientador chegou a comentar que aquilo não era assunto sério o suficiente. Naquele tempo, nos anos 80, ninguém estudava livros escritos para crianças e jovens nas universidades. Não existia uma crítica literária especializada dedicada à analise da produção dos livros infantis e juvenis. Em 1991, Peter Hunt publicou seu livro Crítica, teoria e literatura infantil, publicado no Brasil em 2010 pela editora Cosac Naify. Passados vinte anos desse primeiro livro de Hunt, muita coisa mudou. Hoje, existem mais de oitenta cursos sobre literatura infantojuvenil oferecidos nas universidades da Grã-Bretanha e muitos estudiosos já são PHDs no assunto. Peter Hunt, porém, acaba de se aposentar como Professor Emérito da Universidade de Cardiff e agora se sente mais historiador da literatura para crianças e jovens do que pesquisador de novas tecnologias. Sem compromissos fixos com universidades, ele tem aproveitado o tempo para escrever e viajar, dando palestras pelo mundo afora, como a que apresentou em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, onde a Emília o entrevistou.

Peter Hunt


EMÍLIA  — Parece que, apesar de aposentado, você anda trabalhando bastante...

PETER HUNT Sim, tenho feito um livro por ano. Escrevi quatro volumes de clássicos comentados para a editora Oxford Classics e tenho dado aulas sobre o livro O jardim secreto, que completa cem anos este ano (veja abaixo o texto de Peter Hunt sobre o livro). Assim que me aposentei, tirei um ano sem obrigações e escrevi três livros infantojuvenis. Dois deles eram histórias de detetives e, de início, não consegui publicá-los porque disseram que detetives estavam fora de moda e que meu texto era muito difícil. Só depois de algum tempo decidiram publicar as histórias...


E  — Será que pode tentar explicar o que é o livro juvenil para você? No que é diferente do livro infantil ou adulto?

PH Na verdade essas categorias são para as bibliotecas. Atualmente, muitos acham que a diferença entre os livros para jovens e para adultos é apenas que há determinados assuntos que não devem estar nos livros para jovens. Nesse sentido, os livros sobre vampiros, por exemplo, são sobre sexo, mas não há sexo. Outro dia examinei uma tese de doutorado sobre um livro onde aparece essa mesma situação. A protagonista é sequestrada por um jovem bonitão e nada acontece, mas tudo é insinuado. Ou seja, é pornografia para adolescentes. Por recomendação da editora, a autora teve de mudar o final. Na primeira versão, a garota se apaixona pelo sequestrador e o editor disse que a autora não podia fazer isso num livro para jovens. Deveria haver outro desfecho para a história, com final mais moralista, em que o sequestrador terminasse punido. Então, vemos que no livro para jovens há uma preocupação moralista.

E  — E quem dita essa moral?

PH Os editores.

E  — Editores de onde? Editores de um único país estão ditando a moral dos livros de todo o mundo?

PH Acho que sim. Por causa da estrutura comercial do mundo. Você tem fortes editores americanos e muitos editores europeus que fazem parte de conglomerados e, por isso, têm muito pouca independência. Recentemente, publiquei um artigo num livro, falando sobre censura e a editora pediu para retirar dois assuntos: um sobre o conflito árabe-israelense e outro sobre uma posição política atribuída a C. S. Lewis. Os dois assuntos foram cortados. Num artigo sobre censura! Na editora Random House e em muitas editoras grandes eles dizem que não podem contrariar ninguém em nenhum lugar do mundo. Assim, há assuntos sobre os quais não se pode falar.

E  — Falta coragem aos editores?

PH Falta coragem, sim, por que eles agora são movidos pelo dinheiro e não mais pelos livros. Nas editoras independentes da Inglaterra, as coisas estão melhorando, e isso está ligado à publicação por demanda. Mas outros problemas persistem, como a questão de gênero, por exemplo. Determina-se que livros para meninos têm que ser assim, livros para meninas têm que ser assado... Sem falar nos livros sobre vampiros que têm uma moral imoral. São textos que diminuem o valor das mulheres, que voltam a ser completamente subservientes. E isso é aceito!

E  — Quais os seus autores favoritos, do passado e do presente?

PH Kipling. Rudyard Kipling (autor de O livro da Selva, entre outros), por que ele tem um estilo muito rico, uma linguagem saborosa que pode ser degustada. Também gosto de Frances Hodgson Burnett, mas por outros motivos. Parece que ela sabe apertar os botões certos nas horas certas. Que entende muito de drama e faz você sentir frio e sofrer, tem um talento melodramático que eu admiro. Arthur Ransome também me agrada. Escreveu nos anos 30. Foi o primeiro na Inglaterra a escrever sobre as férias das crianças e fez muito sucesso no período do entreguerras.
Sobre os livros de hoje... isso já é mais difícil. Infelizmente, não gosto dos livros de Philip Pullman porque acho seu estilo literário pobre. Suas ideias são boas, mas a qualidade do texto é fraca. Gosto dos livros da J. K. Rowling pelo mesmo motivo que gosto de Burnett, por que ela sabe apertar os botões certos nos momentos certos, sabe emocionar. Mortal Engines, de Philip Reeve, é um livro interessante também, ele cria uma história interessante, com cidades em movimento, sobre caminhões imensos.
Acho que a linguagem nos livros para crianças e jovens ficou simples demais nos últimos tempos. Pegue um livro dos anos 50 e compare com Philip Pullman. Você vai ver como a linguagem empobreceu. Talvez por influência de outras mídias. Acho que Kipling nunca seria publicado nos dias de hoje...

capinha Livro da selva  capinha mortal engines


E  — Que cursos você considera bons hoje na Grã-Bretanha para quem gosta de literatura infantil e juvenil?

PH Na Inglaterra, recomendo a Roehampton University, em Londres. E Newcastle, que é a maior, tem uma ótima biblioteca, além de oferecer muitos cursos à distancia. E agora Cambridge acaba de lançar um curso de mestrado em Literatura para Crianças, no curso de Educação. Na Open University há uma sessão de Literatura juvenil. É curioso porque começaram com 500 alunos e hoje há mais de 1800 alunos por ano nesse curso.

E  — Parece que o interesse em estudar literatura infantil e juvenil aumentou bastante nos últimos anos...

PH Sim, há mais interesse hoje. Talvez pelo efeito Harry Potter. Foi um big boom. O problema é que agora todos os editores procuram os mesmos sucessos. Todos os editores precisam ter uma série de bruxos, uma série de vampiros, uma série de princesas, uma série de garoto banana... Todos querem ter o mesmo. Antes, era o contrario: cada editor queria ter algo único e original.

E  — Aparentemente o sucesso comercial fez com que as pessoas olhassem para a literatura infantil e juvenil com mais seriedade?

PH Sim. Mas acho que o primeiro sucesso veio de Phillip Pullman com His dark material (lançado no Brasil pela editora objetiva, com o título de Fronteiras do Universo). Um livro bem controverso que fala da morte de Deus e coisas assim (e que fez Pullman entrar para a lista negra do Vaticano). O fenômeno Pullman mostrou que, quanto mais um livro juvenil se parece com um livro para adultos, mais respeitado ele é. Meu argumento, porém, é que livros para jovens não deveriam buscar ser parecidos com os livros para adultos. Deveriam ser totalmente diferentes.
Tivemos uma conferencia há dois anos na Biblioteca Britânica sobre poesia para crianças. Havia muitos poetas presentes, mas nenhum que escrevesse poesia para crianças. Nessa conferência, disseram que a poesia feita para crianças é um aprendizado para a poesia feita para adultos. Disseram que poesia para crianças é aquela que brinca com a linguagem, tem liberdade, deixa fazer o que se quiser. Mas como essa poesia é julgada? Por sua semelhanças com a poesia adulta! E com isso estão destruindo a criatividade infantil colocando-a nesse formato adulto. Não se deve comparar a poesia feita para crianças com a poesia feita para adultos! Há ainda essa ideia antiga de que a literatura para crianças é uma versão menor da literatura para adultos.

E  O que mudou desde que você escreveu seu primeiro livro sobre literatura infantil e juvenil para os dias de hoje?

PH Naquele tempo, há vinte anos, eu estava tentando dar aulas e precisava explicar para as turmas que a literatura infantojuvenil era interessante e valia a pena ser estudada. Também tentei escrever um livro que fosse um guia que ajudasse a elaborar críticas aos livros. E teve um bom impacto porque meu argumento é que literatura é algo que mexe com hierarquia, com quem está no poder. Hoje é mais fácil montar um curso de literatura infantojuvenil, mas em muitos países ainda há uma grande luta pela frente.
capinha critica
Na Itália, por exemplo, tentei montar cursos e descobri que eles estão vinte anos atrasados. Acham que literatura para crianças – e seus cursos – têm de ser simples... É importantíssimo ter professores especialistas em literatura infantojuvenil, assim como universidades que ofereçam mestrados e doutorados sobre o assunto. Precisamos de cursos sobre literatura infantojuvenil cada vez mais puxados, para que não pensem que o que estudamos é um assunto fácil, simples, coisas assim. Um dia, quando for dificílimo entrar para esses cursos nas universidades, daqui a dez anos, ninguém vai poder dizer que é um tema fácil...


E  — O que você acha dos livros de Roald Dahl?

PH Se você olhar o que aconteceu com os livros para crianças e jovens nos anos 80 e 90 vai ver que os livros viraram produtos. E Dahl se tornou um mestre nisso. Parece que ele está do lado da criança, que faz apologia da liberdade, mas no fim está manipulando as crianças, transformando-as em consumidoras. Ele faz uma espécie de carnaval. Pessoas no poder deixam os demais se divertirem um pouquinho para que se sintam livres e não façam nenhuma revolução. Dahl faz a mesma coisa. Parece que incentiva a liberdade, mas é uma espécie de carnaval o que ele promove. Por detrás de suas histórias, há um autor com uma visão muito cética e cínica do mundo. Ele não foi o primeiro a fazer marketing e a vender produtos para crianças, mas ele manipulou tudo muito bem. Transformou tudo em produto, de uma maneira muito inteligente. Então, enganou muita gente. Não digo que não é um bom entretenimento, mas ele é parte de um movimento que transforma tudo em produto.

E  — E Harry Potter?

PH Harry Potter começou como um livro independente. Depois mudou porque foi levado para grandes editoras etc.

E  — Você já veio duas vezes ao Brasil. O que tem achado das discussões de literatura infantojuvenil por aqui?

PH A literatura aqui tem muita liberdade, muita variedade. E as perguntas que me fazem são ligadas à teoria e a questões fundamentais da literatura. Parece que o cenário para essa literatura aqui é bom, e está crescendo. Se chegarem a ter cursos em universidades importantes, como começou a acontecer em Cambridge, a literatura infantojuvenil vai ser cada vez mais compreendida. Nos EUA, isso ainda não aconteceu. Sempre pergunto aos estudantes americanos: quantos de vocês que estão aqui são de Yale, de Harvard? Por enquanto, são todos de universidades pequenas. Ainda é preciso ir mais longe para que esse conhecimento seja levado mais a sério. Ainda não chegamos lá, mas o movimento está crescendo.

E  — No Brasil, ainda não há um mestrado especificamente em literatura infantojuvenil. É necessário se fazer mestrado em literatura brasileira e depois uma especialização em literatura infantojuvenil.

PH É uma estrada longa até que o assunto seja realmente aceito. De qualquer jeito, acho que a matéria tem que fazer parte do departamento de literatura e não do departamento de educação. E tento fazer com que meus livros de teoria sejam publicados por grandes editoras para que sejam vistos com seriedade.

E  — Parece que livros, animação e jogos estão se misturando bastante no cenário atual. O que acha disso?

PH Sim, está tudo muito misturado. Temos que nos perguntar onde nos colocamos neste momento? Queremos manter o valor do livro e o valor da palavra? Ou temos que aceitar que as novas gerações vão valorizar algo diferente... A valorização da literatura ou não também é um reflexo do que acontece nas casas. Em casas onde os pais gostam de livros, filhos gostam de livros.

 

* * *


Mary, Mary… Como o seu jardim continua crescendo?
Crítica de Peter Hunt ao livro O jardim secreto


capinha jardim secretoO maior erro que as pessoas cometem quando querem promover um livro clássico é descrevê-lo como atemporal.

Um livro como O jardim secreto, escrito por Frances Hodgson Burnett é atemporal apenas no sentido de que teve leitores por cem anos. Quando foi lançado, em 1911, The Bookman observou que o livro era “mais que apenas uma história de crianças, com uma camada profunda de simbolismo”. Nos anos 60, o livro se tornou cult nos Estados Unidos, entre estudantes do ensino médio, não apenas por que contava a história de “duas crianças infelizes, doentes e civilizadas demais que conseguem se tornar mais felizes e saudáveis através de uma combinação de um jardim comunitário, uma fé mística, exercícios diários, encontros de grupo e boa alimentação”. Será que a atemporalidade, então, acontece devido aos símbolos associados ao jardim que reverberam através dos anos? Jardins, como espaço simbólico de inocência, crescimento e regeneração, sem falar da sexualidade, tentação e morte relacionados ao Éden. Em 2006 The Ultimate Teen Book Guide descreveu O jardim secreto como um livro sobre uma menina quase adolescente que se transforma num ser humano melhor ao encontrar um jardim abandonado que precisa de cuidados. Quão moderno é isso?

O fato de que O jardim secreto toca em um assunto tão poderoso não significa que o livro não seja um produto de seu tempo – e, se ignorarmos as fontes mais imediatas e os stimuli do livro, perderíamos muito de sua riqueza. O jardim secreto – como todos os clássicos – precisa ser apreciado e compreendido em sua contemporaneidade para ser melhor saboreado.

Burnett era uma mulher ligada ao jardim, numa era de jardins. Jardins abundavam nas pinturas pré-rafaelitas como nos quadros de Rossetti; Stevenson usou os jardins como marca para sua coleção de poemas para crianças em 1885; havia jardins, abandonos e assombros nos poemas de Swinburne. No mundo da educação, Friedrich Froebel escreveu O sistema de jardins de infância em 1855 e o termo kindergarten (jardins de infância) foi popularizado por seus seguidores, entre os quais estava Burnett. (Em 1917 ela foi convidada a escrever uma introdução para a coleção da autora americana Kate Douglas Wiggin, autora do livro Rebecca of sunnybrook farm, no qual Wiggin relembra seu tempo de jardim de infância…). A baronesa Marenholtz-Bülow escreveu, em 1879, no livro Criança e criança-natureza que “a criança que nunca teve um pedaço de terra para chamar de seu (achará difícil) se ater à capacidade humana de nutrir”. E no livro O jardim secreto, Mary implora para ter seu próprio pedaço de terra, descobrindo assim como nutrir os demais.

Na prática, Burnett desenvolveu seu próprio jardim de rosas em Maytham Hall, em Kent, e a estrutura das estações do tempo em O jardim secreto pode ter sido sugerido por I. L. Richmond no livro In My Lady’s Garden (1908), uma coleção anual publicada pelo antigo editor da revista Queen. Outros best-sellers daquele tempo que Burnett pode ter conhecido: Elizabeth and the German Garden (1898), de Elizabeth van Arnim, editado até hoje, e dois volumes curiosos escritos por I. Lilias Trotter. (Talvez não seja coincidência o fato do nome da falecida mãe de Colin também chamar-se Lilias). Os livros de Lilias Trotter, Parables of the cross (1890) e Parables of the christ-life (1899), fazem a ligação entre espiritualidade e jardinagem que Dickon e sua mãe também fazem em O jardim secreto:

“o galho deve se libertar das folhas antigas para que o novo broto possa nascer. E antes que a alma possa experimentar uma vida com completude… uma escolha deverá ser feita”.

Há também a história escrita por Mrs. J. H. Ewing Mary’s Meadow (1884), inspirada no botânico e jardineiro John Parkinson (1567-1650) que era parte da moda e que propunha “O jogo do paraíso terrestre - embelezando lugares esquecidos”– um hábito que passou a ser chamado de “Mary Meadowing”. Para uma cabeça como a de Burnett, essa teria sido uma conexão bem óbvia e o mesmo pode ter acontecido com o livro An Enchanted Garden (1892), escrito por Mrs. W. J. Molesworth, no qual uma carroça lidera crianças para um jardim deserto.

Junte tudo isso ao fato de que Burnett estava cercada pela teosofia, pelo Novo Pensamento, pela Ciência Cristã, pela autoajuda, além de ser contemporânea do crescimento do movimento de Reformkleidung na Alemanha, que questionava as roupas restritivas das mulheres (e precedido por Heidi – um livro ao qual O jardim secreto deve suas maiores cenas), sem esquecer da campanha de Fanny Fern por exercícios para as mulheres. Com tudo isso, temos vários elementos de uma época, elementos que ajudam a situar melhor o que parece “atemporal”. Sustentado por jardins, antes, agora e para sempre, O jardim secreto está muito vivo, uma parábola do poder feminino numa era que ainda precisa dele.


* Esta entrevista foi realizada durante a 14º Jornada de Passo Fundo, no mês de agosto de 2011.

Compartilhe no Twitter
Comentários (3)
Heloisa Lage
Quem se habilita faça valer. A Revista Emília é consciente e nos aprimora. Obrigada, Heloisa.
Revista Emília
Obrigado, Heloisa! Que bom! Abraços, Equipe Emília
Fernanda Passamai
Já havia me entregue ao prazer das sensações latentes nas visitas ao Jardim Secreto descoberto por Mary. Agora, depois dos comentários do Sr. Hunt, as sensações ficaram mais concretas! Deu vontade de reler, dessa vez na companhia da minha filha. Parabéns pela entrevista.
Revista Emilia - Todos os direitos reservados