Revista Digital Emilia Leitura e livros para crianças e jovens
Crítica Entrevistas Leitores Leituras Livros Mercado
PALAVRAS-CHAVE
Flipinha 2012  Flávio Carneiro  Papel do mediador  Leitura literária  América latina  Leitura para bebês  Esterótipos  Gênero e LIJ  Arte e Educacão  Bibliotecas  Livros álbum  Leitura na escola  Livros sem palavras  Livro Infantil  Ilustração  EJA  Políticas do Livro  Livros primeira infância  História  Conversas ao Pé da Página  Instituto Acaia  LIJ BRasil  Mediacão  Autor & ilustrador  Teoria 
Crítica | setembro 2013
Estante 9
Para todos os leitores
POR Camila Castro e Fernanda de Lima Passamai Perez

Henri vai a ParisHenri vai a Paris
Ilustração: Saul Bass
Texto: Leonore Klein
Coleção: Os contos da pipa
Tradução: Leusa Araújo
Formato: 20 x 28 cm
Páginas: 48
Editora: Gustavo Gili Brasil
Ano: 2012

Escrito por Leonore Klein, Henri vai a Paris conta a história de um menino que vive no interior da França, na cidade de Reboul, e sonha em conhecer a capital. Um dia, depois de ler um livro sobre Paris, ele decide sair atrás de seu sonho. Ao longo do caminho, Henri fica cansado e dorme sob uma árvore, o que muda o rumo de seus planos.
Originalmente publicado em 1962, é o único livro ilustrado pelo designer gráfico Saul Bass, conhecido por seus logos atemporais e por suas sequências cinematográficas memoráveis. Para narrar visualmente a caminhada de Henri, as páginas de tons laranja e verde brilhantes e marcantes apresentam ao leitor um comparativo quadro a quadro entre a pequena cidade do interior e Paris. O senso de escala e de contenção é monumental.
Os personagens são introduzidos através de formas geométricas simples e símbolos. Os habitantes de Reboul são representados por círculos ou letras com chapéus, além de terem braços e pés bem colocados. O personagem de Henri, por exemplo, é representado apenas por seus braços e suas botas verdes. A tipografia está sempre posicionada em uma forma de composição que leva o olho do leitor através do livro, como um mapa.
A capa é uma fusão entre o título e a ilustração minimalista: os pés de Henri parecem caminhar para fora da página. No geral, as ilustrações transmitem tanto o conteúdo do texto como estabelecem um estado de espírito às palavras, definindo o contexto e introduzindo uma narrativa visual com poucas informações gráficas. Isso porque, além de expor sua assinatura minimalista, Saul Bass convida o leitor a participar da autoria da obra, permitindo que preencha os espaços gráficos.

[Por Camila Castro]

 

 

Minhocas comem amendoinsMinhocas comem amendoins
Autora/ilustradora: Élisa Géhin
Editora: Pequena Zahar
Tradutor: André Telles
Formato: 22 x 33 cm
Páginas: 40
Ano: 2012

Amendoins, minhocas, pássaros e gatos. Tudo e todos em harmonia: gatos comem pássaros, que comem minhocas, que comem amendoins. Um dia, no entanto, uma minhoca-muito-irritada decide comer...um gato! Pronto, a confusão se instala! A partir desse momento, o divertido conto de Élisa Géhin, que também ilustra o livro, mergulha no nonsense e desestabiliza o leitor. Com recursos dos contos acumulativos, que impõem um ritmo acelerado à leitura, o texto joga com o leitor propondo a troca de papéis de cada um dos personagens e invertendo a ordem natural das coisas. As coloridas ilustrações descrevem com humor os eventos narrados. O texto está em letra bastão, bom para os pequenos que se iniciam na leitura, uma vez que pode funcionar como mais um estímulo. Diversão garantida!

[Por Fernanda de Lima Passamai Perez]

Compartilhe no Twitter
Revista Emilia - Todos os direitos reservados